Breve História da Terapia Online

Murphy, L.J., Parnass, P., Mitchell, D.L., & O’ Quinn, S.

Como seria esperado, Terapia Online (Worldwide Therapy Online, Inc.) cresceu através de duas correntes distintas. A primeira foi o trabalho de terapia narrativa de Michael White e Epston David. Eles introduziram a ideia de enviar cartas aos clientes entre as sessões (White & Epston, 1990). White e Epston, descobriram que estas cartas tinham tanto significado para os clientes como um enorme poder terapêutico. A segunda, foi a entrega de computadores para cada psicólogo na clínica de reabilitação de alcoolismo e toxicodependência, onde trabalhavam Mitchell e Murphy. Com estes computadores podiam aceder à Internet e ao correio electrónico. A ideia veio a eles quase de imediato. Eles podiam unir as cartas da terapia narrativa com a tecnologia da Internet e correio electrónico e ajudar a qualquer um, em qualquer lugar, a qualquer momento. 

Em 1994 começaram por criar um site e a divulgá-lo através de um boletim. Tais sistemas eram omnipresentes no início de 1990 (America Online é o único exemplo existente). Um indivíduo podia ter um computador potente, configurá-lo ao router, o que permitiria a múltiplos usuários  ligarem-se e jogarem uns com os outros, trocar mensagens e descarregar programas.

Eles colocaram o site num servidor, o White Rock 5 British Columbia, e começaram a oferecer serviços de psicoterapia por email, marcavam consultas e obtinham feedback dos clientes. Chamaram esta modalidade de “therap-e-mail”. Duas questões surgiram de imediato. Primeiro, só com o texto, má-interpretação do mesmo era uma preocupação. Eles tiveram de desenvolver técnicas que pudessem compensar a falta do tom de voz e da comunicação não verbal por meio do texto. Segundo, as considerações éticas eram qualitativamente diferentes da psicoterapia “cara a cara”. Desenvolveram um catálogo, baseado em texto, de técnicas terapêuticas que pudessem adereçar a falta de tom e comunicação não verbal (Murphy & Mitchell, 1998) e começaram a trabalhar na análise e no fornecimento de soluções para os problemas éticos (cf. Mitchell & Murphy, 2004). Uma das técnicas é o chamado “Emotional Bracketing”. Esta técnica consiste em colocar a emoção ou sub-texto relevante num comentário dentro de parênteses rectos, depois do comentário em si. Um psicoterapeuta pode, por exemplo, escrever. “Não sei nada de si há 3 semanas [estou preocupado]”. Com isto o cliente sabe que o psicoterapeuta não está zangando ou desiludido mas sim preocupado. Esta técnica também serve para prevenir os clientes das interpretações das suas próprias projecções sobre o significado das palavras do psicoterapeuta. Esta e outras técnicas estão escritas em detalhe em Murphy e Mitchell (1998) e em Collie, Mitchell e Murphy (2000). Em 1995, lançaram a primeira versão de Terapia Online. Em 1997 o seu trabalho chamou à atenção da National Board of Certified Counselors (NBCC). A NBCC tinha como compromisso criar um código ético para a prática psicológica online e destacaram um grupo para procurar na Internet e encontrar o melhor exemplo de uma prática ética já em funcionamento. Isso levou à criação de Therapy Online (Terapia Online). O resultado deste trabalho colaborativo foi lançando em 1998.

 

 

 

Comments are closed.

Set your Twitter account name in your settings to use the TwitterBar Section.